Introdução a Teoria do Estado Transparente por Juliano Ferreira

Este é um documento wikicolaborativo, desenvolvido exclusivamente através do Facebook, com cópia de segurança em processador de texto Word e Google Doc. O objetivo é discutir em sala de aula os capítulos 8 e 9 do Livro acima citado e produzir aqui um texto reflexivo conforme orientação docente.

A proposta é experimentar aqui a Inteligência Coletiva proposta por Pierre Lévy na prática, cuja reflexão teórica vem sendo desenvolvida desde 1994 quando seu livro L´intelligence collective. Pour une anthropologie du cyberspace foi lançado e cuja tradução em língua portuguesa brasileira foi lançada em 1998.

O livro aqui apresentado é uma tradução em língua portuguesa e atualização realizada pelo professor e pesquisador André Lemos do Programa de Pós Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia.

Foi escrito inicialmente pelo professor e pesquisador Pierre Lévy em francês cujo título original é Ciberdémocracie: Essai de Philosophie Politique e publicado em 2002. Lévy é Professor titular do Departamento de Comunicação da Universidade de Ottawa.

No capítulo 8 cujo título é Globalização e Ciberdemocracia Planetária, Lemos e Lévy (2010) fala da globalização política não somente como algo ligado à internet. Eles se preocupam em deixar claro que esta globalização se vincula a um sistema do conjunto midiático contemporâneo, compreendendo mídias de funções massiva e pós massiva (p. 157).

Os autores falam da potência do ciberespaço no que eles chamam de “mobile journalism” e do “citizen journalism” como formas de os cidadão potencializarem suas participações na esfera pública. Nesta globalização da visibilidade, afirmam Lemos e Lévy, é desafio da globalização fazer com que todas as vozes sejam ouvidas e que as liberdades individuais e a vida privada sejam respeitadas.

No que diz respeito a governança democrática, os autores fazem uma crítica ao capitalismo; onde mercadoria, moeda e informação se tornam indissociáveis separando cada vez mais os ricos dos excluídos. Único obstáculo para isto seriam os movimentos sociais ou leis limitadoras.

O desenvolvimento das novas formas de comércio no ciberespaço pede também novas formas de regulação, a liberdade de expressão e a facilidade de informação faz do ciberespaço também o órgão regulador. Uma vez que as leis nacionais deixam de existir nesse espaço.

O ciberespaço como único território efetivamente democrático na sociedade midiática de economia globalizada, um atalho de superação das desigualdades, criando novas formas de organização política, descentralizada e flexível.

Os argumentos são os seguintes:

Desenvolvimento de uma nova esfera pública na internet que possibilita o desenvolvimento autônomo de movimentos políticos e sociais. “As novas ágoras on-line permitem que novos modos de interação e de deliberação política venham à luz”;

Perspectiva de um governo democrático planetário, onde a globalização seja a força motora (lei democrática mundial);

Assim como o mercado as finalidades cívicas ou políticas podem se exercer livremente. O ciberespaço  dá possibilidade de escolher domínios interdependentes:

Consumo: saber o que estamos consumindo, avaliar o impacto do nosso consumo sobre a ótica econômica, social, ecológico ou político. EX: sites de consumo sustentável, direito da criança etc. “Devemos considerar o mercado on-line, como um instrumento de pilotagem, um vasto sistema eleitoral permanente no seio do qual cada compra representa um voto”. (LEMOS E LEVY, 2010, p.166)

Investimento: crescimento considerável de investimentos a longo prazo que obedecem a critérios de responsabilidade social, no mundo interconectado deteriorar o ambienta natural não é nada inteligente.

“Certamente sempre haverá desigualdades, uns serão mais ricos que outros, mas se pode prever que a maioria possuirá partes de grandes empresas, conseqüentemente, o poder de governo da multidão dos pequenos será cada vez mais determinante, para a elaboração da política das multinacionais, e isso em um contexto em que cada dia a informação e a discussão on-line se aperfeiçoarão”, Pag. 169.

LEMOS, A.; LEVY, P. O Futuro da Internet. Em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

Partilhar:

Jornalista Alberto Dines morre aos 86 anos

Foto: Agencia Brasil

Por Agência Brasil

O jornalista Alberto Dines, fundador do Observatório da Imprensa, morreu hoje (22), aos 86 anos.

Dines estava internado há dez dias no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. O hospital informou que o jornalista morreu às 7h15, vítima de deficiência respiratória. O velório deve ocorrer na capital paulista.

Jornalista, professor universitário, biógrafo e escritor, Dines teve destaque em vários veículos de comunicação. Começou a carreira no jornalismo em 1952 na revista A Cena Muda e no ano seguinte participou da fundação da revista Visão para acompanhar reportagens da área artística. Em 1957 trabalhou na revista Manchete, de propriedade de Adolpho Boch. Dois anos depois foi diretor do segundo caderno do jornal Última Hora, de Samuel Wainer. No ano seguinte, dirigiu o jornal Diário da Noite, dos Diários Associados, pertencente a Assis Chateaubriand. Em 1962 virou editor-chefe do Jornal do Brasil, onde permaneceu até 1973.

No ano seguinte foi professor-visitante na Universidade de Colúmbia, nos Estados Unidos, de onde voltou para ser diretor da sucursal da Folha de S. Paulo, no Rio de Janeiro. Em 1980, deixou o jornal e passou a colaborar em O Pasquim.

Mudou-se para Lisboa em 1988, onde lançou a revista Exame, do Grupo Abril. Ainda em Lisboa lançou o Observatório da Imprensa, uma entidade sem fins lucrativos dedicada a avaliar a qualidade do jornalismo brasileiro. Dines retornou ao Brasil em 1994.

Em 1998, lançou o Observatório da Imprensa na TV Educativa do Rio de Janeiro. O programa foi, posteriormente, produzido pela TV Brasil.  O Observatório da Imprensa ficou no ar de 1998 a 2016.

Edição: Lílian Beraldo
Partilhar:

São João de Irecê é homenageado em festa no Coliseu do Forró em Salvador

Foto: Ascom

Por Ascom PMI

O São João de Irecê, que completa 40 anos de muita alegria e tradição em 2018, foi o grande homenageado do ‘Forró de Irecê em Salvador’ realizado pelo Bloco Explosão na noite do último sábado (19), na casa de espetáculos Coliseu do Forró.

A festa, que contou com o apoio da Prefeitura, promoveu a grade da programação junina do município para os soteropolitanos e ireceenses que moram na capital; contou com a presença do prefeito Elmo Vaz, do ex-prefeito Zé das Virgens e da senadora Lídice da Mata e com os artistas ireceenses Claudinho do Acordeon, Marquinhos do Forró Furado, além de Zeca di Zefa, Tayllane Feitosa, entre outros.

“Foi uma festa muito bonita e animada, com diversas ações promocionais, exibição do vídeo oficial do São João e distribuição de panfletos. Tudo para enaltecer a nossa festa junina, umas das melhores do Brasil”, contou o diretor do Bloco Explosão, Luiz Hermes.

Partilhar:

Campanha de combate à violência sexual em Irecê leva ações para alunos do município

Foto: Ascom

Por Ascom PMI

Na semana de enfrentamento ao abuso e exploração sexual infantil, e integrando as ações da campanha “Faça Bonito”, que acontece até o dia 22 de maio, a Prefeitura de Irecê está promovendo nessa sexta-feira (18) no Colégio Odete Nunes Dourado, rodas de conversa, palestras, debates, além de oficinas com a participação de assistente social, psicólogo, fisioterapeuta, entre outros profissionais.

Realizadas pela Secretaria de Assistência Social e o Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social), e voltadas aos alunos e convidados, as ações contam com o apoio de diversas entidades como Cras, Secretaria de Educação, Conselho Tutelar, CRM, Nasf, Nuca e CMDCA. “Essa campanha tem como principal objetivo falar sobre a violência sexual pois recebemos essas vítimas no Creas para atendimento tanto individual, quanto ao acompanhamentos de famílias, e entendemos a importância de não silenciar esse tipo de crime”, explicou a coordenadora do Creas, Arleide Moreira. “Essa violência sexual, no abuso ou na exploração, é um tipo de crime que não podemos deixar silenciado, pois traz como resultado não apenas as marcas físicas, deixam as marcas psicológicas e emocionais”.

Segundo a ONG Aldeias Infantis SOS Brasil, cerca de 13 crianças são exploradas sexualmente no Brasil. Só nos anos de 2015 e 2016, 37 mil casos de denúncias de violência sexual na faixa etária de zero a 18 anos foram recebidas pelo Disque 100. “Temos um número de 527 mil pessoas estupradas no Brasil por ano, sendo que 89% dos casos são mulheres, e 70% são crianças e adolescentes, por isso precisamos abordar sim questões de gênero e machismo”, destaca a advogada e membro da Comissão da Mulher da OAB Subsessão Irecê, Laís Abreu, durante palestra no colégio Odete.

Em Irecê, as denúncias podem ser feitas através do Disque 100, Conselho Tutelar, Delegacia comum e Ministério Público.

Partilhar:

Irecê-BA: Na semana da Luta Antimanicomial, Caps promove Ciclo de debates abordando Saúde Mental

Foto: Divulgação Prefeitura de Irecê

Por Ascom Prefeitura de Irecê

Em meio aos 30 anos da Luta Antimanicomial, a Prefeitura de Irecê, em parceria com a FAI, promoveu, na manhã dessa quinta-feira (17) no Centro Paroquial, um Ciclo de Debates.  A ação integra uma série de atividades realizadas pelo Caps Dias Melhores, por meio da Secretaria de Saúde, na Semana da Luta Antimanicomial, que vai até essa sexta-feira (18).

Integrando a mesa, a assistente social e apoiadora de Saúde Mental na base regional de Irecê, Marlúcia Rocha citou a importância da Luta Antimanicomial por se tratar de um movimento a favor da cidadania e liberdade da pessoa portadora de sofrimento mental. “É antimanicomial porque o objetivo principal da luta é tratar o indivíduo em liberdade, sem exclusão ou confinamento, sem estigmatizar, e para isso estamos na luta há 30 anos, usando o dia 18 de maio como estratégia para lembrar à sociedade que precisamos tratar das pessoas em sofrimento mental de forma humanizada e livres”.

Coordenadora do Caps Dias Melhores, Vera Matos relembra que na Semana da Luta Antimanicomial anterior a campanha teve como mote o carnaval de rua. “Após uma análise, optamos em produzir o primeiro ciclo de debates sobre a luta antimanicomial e Saúde Mental como um todo para incluir profissionais das áreas de saúde e juntos trocarmos ideias para ajudar a conduzir a saúde mental na nossa região, pois sentimos a necessidade de amadurecimento ao tratar o sofrimento mental”.

Já para o mestre em Psicologia Cognitiva, Rodrigo Damasceno, “é preciso articular as redes, não só através das redes cuidado, a exemplo do Caps, como também as escolas, universidades, Cras, Creas, para que possamos articular uma grande rede inserindo o sujeito em sofrimento psíquico de volta ao território, à família”. “Esperamos conseguir tornar esse movimento cada vez maior para que tenhamos uma conscientização mais forte e precisa no nosso território”, concluiu.

Integraram a mesa do ciclo de debates o médico psiquiatra, Carlos Camacho, a assistente social e apoiadora de Saúde Mental do território, Marlúcia Rocha, mestre em Psicologia Cognitiva, Rodrigo Damasceno, representando o prefeito Elmo Vaz, a primeira-dama Cynara Barbosa, entre outros.

Partilhar:

Jornalista mexicano de rádio e TV é assassinado em Tabasco

Por Teresa Mioli/CA

O jornalista mexicano Juan Carlos Huerta foi morto em Tabasco na manhã de 15 de maio, no que parece ter sido um assassinato por encomenda. Sua morte ocorre no aniversário de um ano do assassinato do jornalista Javier Valdez, salientando a grave violência enfrentada pela imprensa mexicana.

Juan Carlos Huerta (Facebook)
Huerta estava saindo de sua casa em uma parte da cidade conhecida como Flor de Trópico quando seu carro foi bloqueado por homens armados em dois veículos. Eles atiraram contra o jornalista e o atingiram pelo menos quatro vezes, informou o site de notícias Tabasco HOY.

Uma mulher que estava com o jornalista no momento sobreviveu ao ataque, relatou o Diário de Tabasco.

O governador Arturo Núñez disse “parece que vieram para executá-lo”, segundo Aristegui Noticias.

Núñez disse que as autoridades estão fechando o acesso à cidade para encontrar os responsáveis, informou Milenio.

Vídeo do site de notícias La Silla Rota mostra presença de policiais fortemente armados na cena do crime.

Huerta era diretor geral da estação de rádio Sin Reservas, que fica em Villahermosa, Tabasco. A estação, que é transmitida ao vivo online em vídeo, celebrou recentemente seu aniversário de dois meses.

Em 8 de maio, Huerta postou uma nota comemorativa no Facebook, reconhecendo o sucesso da estação e agradecendo seus muitos seguidores e apoiadores.

Ele também foi apresentador do programa de televisão Notinueve no Canal 9.

A morte de Huerta ocorreu no aniversário de um ano do assassinato do jornalista Javier Valdez em Sinaloa. Para marcar o dia, jornalistas de todo o país realizam eventos para chamar a atenção para a violência contínua contra jornalistas no país e a impunidade que se segue em muitos casos.

Usuários de mídia social estão de luto pela morte de Huerta, ao mesmo tempo em que destacam o fato de que ocorreu no aniversário do assassinato de Valdez. A filial mexicana do El País escreveu: “O dia 15 de maio foi consolidado como um dia sombrio no jornalismo mexicano”.

Partilhar:

Semana de Luta Antimanicomial é promovida pelo Caps Dias Melhores em Irecê

Por Ascom PMI

Na quarta-feira (16), a Semana da Luta Antimanicomial contará com dinâmicas, apresentações de capoeira e jogos, a partir das 9h na Praça Chico Mendes.

Valorizando a Saúde e a luta pelos direitos das pessoas com sofrimento mental, a Prefeitura de Irecê promove, de 14 a 18 de maio, a Semana da Luta Antimanicomial com o tema “Nem um passo atrás”. A iniciativa acontece com atividades internas voltadas aos usuários, e também com ações abertas a toda a comunidade, realizada pelo Caps Dias Melhores, por meio da Secretaria de Saúde.

Na quarta-feira (16), a Semana da Luta Antimonicomial contará com dinâmicas, apresentações de capoeira e jogos, a partir das 9h na Praça Chico Mendes. Já na quinta-feira (17), a ação tem como mote um ciclo de debates, que acontece na sede do Caps, as 8h30, contando com as presenças do mestre em Psicologia Cognitiva, Rodrigo Damasceno, da apoiadora institucional de Saúde Mental da 21° Dires, Marlúcia Rocha, da psicoterapeuta Janaina Rocha e do médico psiquiatra, Carlos Camacho, entre outros. E para finalizar a Semana da luta Antimanicomial, na sexta-feira (18), a Prefeitura promove em parceria com a FAI (Faculdade de Irecê), na Praça da Prefeitura às 9h, uma exposição, além de muita música.

Partilhar:

Além de pavimentar ruas, Programa Urbaniza Irecê vai enviar projeto de lei para nomear ruas da cidade

Foto: Waldson Alves/Arquivo Ascom Prefeitura de Irecê

Por Ascom PMI

Além da pavimentação asfáltica, construção de passeios e instalação de meios-fios com acessibilidade de mais de 100 ruas e avenidas, o executivo municipal vai enviar projeto de lei para dar nome a diversas ruas da cidade que hoje não tem nomes. A solicitação da nomeação das ruas foi feita pelos alunos do 1º ano da Escola  Padre Cícero, do bairro Silva Pereira, que enviaram uma carta ao prefeito Elmo Vaz com o pedido.

“Já tínhamos consciência dessa necessidade, mas com essa solicitação a nossa obrigação será acelerada” explicou o gestor, que se sensibilizou com o pedido, e visitará a Escola para ouvir e conversar pessoalmente com as crianças. Segundo o prefeito, será feita uma campanha para escolher os nomes das ruas, e, em seguida será encaminhado um projeto de lei pra Câmara de Vereadores.

“Não basta urbanizar os bairros com pavimentação asfáltica, construção de passeios e instalação de meios-fios e acessibilidade, temos de dar nomes as ruas e avenidas ”, afirma Elmo. “Não podemos continuar convivendo com logradouros sem um nome. Uma via não pode ser denominada de Rua A ou Rua B, temos de mudar isso rapidamente”, completa.

Ainda segundo o prefeito, Irecê tem diversas personalidades que podem ser homenageadas, como professores, empresários e pessoas que fizeram parte da história da cidade. “Depois vamos oficializar todos esses novos nomes junto a Embasa, Coelba e Correios, e instalar placas de identificação”, explicou.

Para Elmo Vaz, o Programa Urbaniza Irecê já é um grande sucesso. “Desde o seu inicio tenho intensificado as visitas aos bairros contempladas pela ação, e acompanhado de perto a satisfação dos moradores com a chegada do tão esperado asfaltamento”, disse. “Estamos promovendo uma série de melhorias na saúde, bem-estar e no acesso tanto para pedestres quanto para veículos, e incentivando a atração de comércios e serviços para as comunidades, promovendo assim valorização dos imóveis da região”, finalizou.

Partilhar: