Deu xabú na eleição da Mesa Diretora da Câmara de Irecê, na noite deste sábado (15)

file-2018-12-15213817.844791-sessaoe1845304-00ca-11e9-9991-f23c917a2cda.jpg

Frustração: partidários lotaram a Câmara, esperando nova Mesa Diretora. Adiada para dia 20 – Foto: Gilberto Neiva

Por Cultura&Realidade

Por volta das 19h deste sábado, 15, o presidente da Câmara de Vereadores, Rogério Amorim “Figueiredo”, abriu a Sessão para a realização da Eleição da Mesa Diretora da casa, para o próximo período legislativo. Após fazer a chamada nominal dos vereadores, constatando a presença dos quinze parlamentares, declarou aberta a sessão.

Em seguida, atendendo uma questão de ordem do vereador Murilo Franca Paiva Silva, que disse ter sido prejudicado como o processo transcorreu até o momento, leu Parecer Jurídico que aponta inconstitucionalidade das duas chapas registradas para a disputa, uma vez que o regulamento da Câmara não permite reeleição.

“Figueiredo” declarou cassadas as duas chapas registradas e concedeu cinco dias para que os interessados possam reformular as suas composições, remarcando a eleição para o próximo dia 20, podendo as chapas concorrentes serem registradas até uma hora antes da votação.

As duas chapas registradas dispõem de componentes que são membros da atual Mesa Diretora. Paulo Joaquim, atual secretário, aparece como candidato a presidente na Chapa 1, e na Chapa 2, que apresenta Tertuliano Libório como candidato a presidente, consta o atual presidente “Figueiredo”, como candidato a vice-presidente.

As presenças de dois candidatos concorrentes nessa eleição, sendo atuais membros da Mesa Diretora em exercício, foram consideradas inconstitucionais pelo Parecer Jurídico apresentando e por isso foram cassadas.

OPOSIÇÃO FORÇA SESSÃO

Mesmo com a Sessão de Eleição suspensa pelo atual presidente da Casa, a Chapa 1, liderada pelo vereador Paulo Joaquim, forçou na realização de uma nova Sessão. Após alguns momentos da suspensão inicial, eles abriram novo conclave parlamentar, sob a presidência do atual vice-presidente Edilson Cachoeira, com as presenças dos oito vereadores oposicionistas.

Fizeram chamada, leram versículos da Bíblia, entonaram o Hino Nacional e em seguida realizaram a eleição, considerada ilegal pelos vereadores situacionistas. Os ex-prefeitos Luizinho Sobral e Beto Lelis se fizeram presentes nesta segunda sessão.

Sobre o ato dos vereadores da oposição realizarem “na tora” uma sessão, considerada não regimental, o vereador Figueiredo disse que a oposição “visa tão somente atrapalhar o processo democrático, mas não tem nenhum valor legal”, concluiu, confirmando a Sessão Extraordinária para eleição da Mesa Diretora no dia 20, quinta-feira, às 10h da manhã.

Vereadores de oposição força Sessão, considerada ilegal pela situação – Foto: Colaboradora amadora

Luizinho compareceu na Sessão realizada pela oposição – Foto: Fac simille de vídeo

Partilhar: