Seabra: População se revolta com o presidente da Câmara Municipal e faz manifestação

Por Veja Política

Na última segunda-feira (26), o município de Seabra, 456 Km da capital baiana, teve um final de tarde com bastante movimentação política nas ruas. Lembrando o clima das campanhas eleitorais, mais de mil pessoas foram às ruas para pedir a renuncia do vereador Marcos Pires, atual presidente da Câmara Municipal.

Segundo informações, a população está revoltada com uma série de atitudes do presidente da casa legislativa de Seabra, que tem uma guerra declarada contra o atual prefeito Fábio Miranda. “O vereador Marcão parece que ficou louco. Ele está mexendo com a vida de muitas famílias. Uma pessoa dessa não tem Deus no coração não. Em dezembro ele anulou uma seção da Câmara que deixava o prefeito pagar os professores. Ninguém recebeu salário. Nem professor e nem servidor da educação. Logo no Natal?”, lamentou a dona de casa Maria Fernandes.

“Este movimento é para pedir o afastamento desse senhor que pensa que pode mandar na cidade e atrapalhar a vida das pessoas de bem. Ele está usando o povo e fazendo o que quer junto com os vereadores do grupo dele. Mas tudo tem limite. Ele já foi preso uma vez pela Polícia Federal. Devia ter tomado jeito”, disse um servidor que preferiu não se identificar.

Operação Carcará prendeu temporariamente o vereador

É de conhecimento público que o atual Presidente da Câmara Municipal de Seabra, figura como Réu em mais de 5 Ações por Improbidade Administrativas e Penais. Todas as Ações são decorrentes da Operação Carcará que foi deflagrada pela Polícia Federal em conjunto com a Controladoria Geral da União-CGU.

Na época a Operação Carcará investigou a prática de atos ilícitos e organização criminosa, na realização de licitações e Contratos Administrativos em 21 municípios do Estado da Bahia. Os réus foram acusados de manipular resultados de licitações que tinham recursos destinados à compra de merenda escolar, medicamentos, e até nas execuções de obras públicas.

O grupo, do qual o vereador Marcos Pires também faz parte, estão sendo investigados  por uso de notas frias, superfaturamento dos preços e não entrega das mercadorias ‘compradas’.

O Presidente da Câmara foi preso temporariamente pela Polícia Federal, com a finalidade de garantir a conclusão da investigação policial, de acordo com o processo nº 0059519-86.2010.4.01.0000.

Durante a manifestação de hoje, os organizadores do evento esperam recolher mais de mil assinaturas para um abaixo-assinado que tem por objetivo pedir a renúncia do vereador Marcos Pires, vulgo Marcão.

Leia o abaixo-assinado na integra:

Seabra/BA, 28 de janeiro de 2019.

Nós, abaixo-assinados, cidadãos do Município de Seabra/BA, através deste documento, pedimos a cassação do mandato do Vereador MARCOS PIRES FERREIRA VAZ, atualmente exercendo o múnus público de Presidente da Câmara Municipal de Seabra/BA, baseada nos seguintes atos:

Restou de conhecimento público que o atual Presidente da Câmara Municipal de Seabra/BA, figura como Réu em mais de 5 Ações entre as por Improbidade Administrativas e as Penais, TODAS derivadas da operação deflagrada pela Polícia Federal em com conjunto com a Controladoria Geral da União-CGU, intitulada de “OPERAÇÃO CARCARÁ”, que investigou a prática de ilícitos e organização criminosa, na realização de licitações e Contratos Administrativos em 21 (vinte e um) municípios baianos, que manipulavam os certames públicos destinados à aquisição de medicamentos, merenda escolar, execução de obras públicas, além de simular o cumprimento integral dos contratos, mediante o uso de notas “frias superfaturamento dos preços e não entrega de mercadorias”.

Dentre as condutadas imputadas ao Vereador MARCOS PIRES FERREIRA VAZ, estão:

  1. a) Autorização de cotação de preços das empresas participantes, apesar de indicar valor acima do ofertado pelo concorrente;
  2. b) Organizava a sistemática de pagamento de vantagem indevida a seu favor;
  3. c) Nas cidades onde atuava recebia “comissões” para facilitar a contratação de empresas do grupo criminoso, auferindo propinas mediante percentual sobre os valores auferidos pelo grupo fraudulento. Destaque que o próprio etiquetava os contratos com a inscrição: “acerto com o prefeito”.

Além da gravidade dos atos de Improbidade Administrativa praticados e também dos crimes contra a Administração Pública, verifica-se que o atual Presidente da Câmara foi PRESO TEMPORARIAMENTE, com a finalidade de garantir a conclusão da investigação policial, de acordo com o processo nº 0059519-86.2010.4.01.0000.

O fato é, como pode um acusado de crimes e prática de atos de improbidade administrativa, preso por essas razões, presidir a Câmara Municipal de Seabra/BA, e nela desempenhar funções que por si só não permitem a dispensabilidade dos princípios constitucionais? Como um cidadão que preside a Câmara de Vereadores buscar a probidade administrativa, se ele mesmo sucessivamente as violou, e recebeu vantagens indevidas para isso?

Em razão disso, solicitamos de V.S.ª o máximo empenho para solucionar esta situação.

Partilhar: