Identificadas quatro vítimas de tragédia com ônibus em Piritiba-BA; Cinco pessoas morreram

Foto: Divulgação

Quatro das cinco pessoas mortas no acidente com ônibus em Piritiba foram identificadas pela polícia em Jacobina, são elas: Margarida Lopes Mascarenhas, de 68 anos, Maria Ruth Diamantino dos Santos Souza, 48 anos, natural de Ibiquera, a filha dela, Vanessa Diamantino de Almeida, de 16 anos, e a pequena Penélope Pimentel Lopes, que completaria 2 anos no dia 23 deste mês. Todos os corpos estão sendo necropsiados no DPT de Jacobina.

Saiba mais:

Acidente com ônibus em Piritiba-BA deixa mortos e feridos

Bahia: Duas crianças vítimas da tragédia em Piritiba são transferidas para Jacobina

Apenas uma das vítimas ainda continua sem identificação. A preocupação dos parentes dos passageiros que estavam no ônibus é que a todo momento surgem informações de que algumas pessoas que foram socorridas para hospitais da região haviam falecido durante o trajeto, mas até o fechamento desta edição nenhum dos casos se confirmou.

Bahia Acontece

Partilhar:

Bahia: Duas crianças vítimas da tragédia em Piritiba são transferidas para Jacobina

Foto: Jacobina Notícias

Cinco vítimas do acidente com um ônibus da empresa Entram, ocorrido na manhã desta quinta-feira (12) na BA-421, trecho entre os municípios de Piritiba e Mundo Novo, foram socorridas para o Hospital Municipal Antônio Teixeira Sobrinho (HMATS) em Jacobina. O ônibus saiu de Itaberaba com destino a Jacobina, onde grupos de famílias passariam o Dia das Crianças em um parque aquático na cidade.

Saiba mais:

Acidente com ônibus em Piritiba-BA deixa mortos e feridos

O acidente aconteceu em uma curva sinuosa na rodovia, no município de Piritiba. Das cinco vítimas trazidas para o Hospital Municipal de Jacobina, duas são crianças e uma delas sofreu uma grave fratura na perna, segundo relatou um médico da unidade ao JN. A criança, de 10 anos, será transferida para Salvador. Os nomes das vítimas não foram divulgados.

Um professor da cidade de Piritiba contou, ao Jacobina Notícias, que ligou para solicitar ajuda do Samu – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – de Jacobina, porém a base de operações, que fica na cidade de Irecê, a quase 200 quilômetros, teria dito que ”não poderia ajudar por ser em outro município”. Pouco depois, as ambulâncias do Samu foram enviadas para o local da tragédia.

Sobreviventes fazem relatos

Um dos sobreviventes disse que “ônibus seguia em velocidade” incompatível com o local e que “por isso o motorista não conseguiu concluir a manobra” na curva. Porém, também há relatos de que “a barra de direção do veículo quebrou”. Quatro pessoas morreram no local e outras dezenas foram socorridas para hospitais de Piritiba e da região. O acidente mobilizou pessoas de vários municípios, inclusive voluntários seguiram de Jacobina para o local do acidente. As prefeituras de Jacobina e Miguel Calmon enviaram ambulâncias e profissionais da saúde para ajudar no socorro às vítimas. Apesar dos relatos de sobreviventes, apenas a perícia poderá identificar as causas do acidente.

Os corpos das vítimas devem ser encaminhados pelos peritos do Departamento de Polícia Técnica (DPT) para o Instituo Médico Legal (IML) de Jacobina.

Jacobina Notícias

Partilhar:

Acidente com ônibus em Piritiba-BA deixa mortos e feridos

Fotos: Jacobina Notícias

Um grave acidente ocorrido na manhã desta quinta-feira (12) deixou várias pessoas feridas e, segundo informações preliminares, quatro pessoas morreram.

Pelo menos 40 pessoas estavam no ônibus da empresa Emtram, entre adultos e muitas crianças, quando ocorreu o acidente na BA-421, em um trecho do município de Piritiba.

As primeiras mensagens que chegaram foram de muito desespero e pedidos de socorro. Segundo os relatos, foram solicitadas ambulâncias da região para ajudar no resgate às vítimas. Ambulâncias da prefeitura de Jacobina seguiram para o local do acidente. Um morador da cidade de Piritiba disse, ao Jacobina Notícias, que ligou para solicitar ajuda do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Jacobina, porém a base de operações, que fica em Irecê, “disse que não poderia ajudar por ser em outro município”.

O ônibus teria sido fretado por famílias de Itaberaba e seguia para Jacobina, onde passariam o Dia das Crianças no Fiesta Park Hotel. Após os pedidos de ajuda desesperados, o Samu de Jacobina enviou ambulâncias e socorristas para o local do acidente. Vários feridos foram levados para o Hospital Municipal Dr. Carlos Alves de Almeida, em Piritiba.

Cinco vítimas, sendo duas crianças de aproximadamente 10 anos e três adultos, foram encaminhadas para o Hospital Municipal de Jacobina. De acordo com um médico da unidade, uma das crianças sofreu fratura exposta no joelho e deve ser transferida para Salvador. As outras quatro vítimas que vieram para Jacobina não sofreram ferimentos graves.

Jacobina Notícias

Partilhar:

Seminário debate segurança alimentar e nutricional com poder público e sociedade civil do Território Sertão do São Francisco

Foto: Comunicação/IRPAA

O que é Segurança Alimentar e Nutricional? O seu município tem alimentação saudável? O seu município faz parte do Sistema Nacional de Segurança alimentar? Estas foram algumas das questões que nortearam o Seminário “Consea – BA: Construindo a política de SAN nos Municípios do Território Sertão do São Francisco”, que aconteceu no dia 09, deste mês, em Juazeiro – BA.

O evento foi realizado pelo Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do Estado da Bahia (Consea-BA) e contou com a participação de cerca de 50 pessoas, representantes do poder público e da sociedade civil de nove municípios do Território Sertão do São Francisco.

O objetivo do seminário foi mobilizar, animar/reanimar e sensibilizar os municípios (poder público e sociedade civil) para aderirem ao Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN). Para isso, os municípios precisam criar a Lei Municipal de segurança alimentar, que incorpora a criação do Conselho, a Câmara técnica de secretários municipais e o plano Municipal, que vai pensar como garantir a segurança alimentar e resolver o problema de insegurança alimentar. E todas essas etapas precisam ser respaldadas pela população.

“O Seminário também foi para a gente avançar na questão da segurança alimentar aqui no Território Sertão do São Francisco. Então, animar, os municípios assim, é dizer que as ações não são demandantes de mais recursos pelo município, pelo contrário, o município que institui uma boa política de segurança alimentar, ele evita despesas. Por exemplo, se você tem uma boa alimentação, você adoece menos, então o município gasta menos com assistência a saúde. Se você compra da agricultura familiar, o município tem mais dinheiro circulando, tem mais renda”, argumenta o presidente do Consea estadual e colaborador do Irpaa, Moacir Santos.

O Seminário também abordou temáticas sobre o processo histórico e cultural da alimentação humana, aprofundando conceitos que tratam da segurança alimentar e nutricional no país. Este último contribui para desmistificar a ideia de que a pessoa não tem alimento porque não trabalha. “Quem mais trabalha é que menos tem dinheiro para comprar alimentos. A fome é uma condição imposta a pessoa”, destaca Moacir, que pondera que essa realidade pode mudar a partir do cumprimento do dever constitucional do estado de garantir a alimentação humana adequada, instituindo políticas que garantam a segurança alimentar e nutricional.

Outro ponto do debate foi trazer a situação geral do país no cenário da garantia do direito alimentação adequada e trazer a situação de cada município presente no evento. Em seguida, foi citado o que vem sendo feito para garantir a segurança alimentar, e também o que pode ser feito para que se criem e implementem as políticas. Neste ponto, o debate convidou os gestores municipais a pensarem se é possível ter no município o seu autoabastecimento e como pode desenvolver ações no sentido de criar políticas.

Vale informar, que no Brasil a alimentação passou a ser um direito humano somente em 2010, quando foi aprovada a proposta de emenda à Constituição, que incluiu no artigo 6º, a alimentação como direito essencial. O que significa que a responsabilidade de garantir alimentos deixa de ser individual e passa a ser do Estado, olhando para famílias em extrema pobreza. Se existem famílias que passam fome, o país está violando o acordo internacional e o direito constitucional de alimentação adequada.

Deserto alimentar

A maioria dos municípios do Território, segundo relatório do Ministério do Desenvolvimento Social sobre Segurança Alimentar, produzem toneladas de manga, uva, cebola, melancia, melão, na sua maioria, para exportação e para a venda, mas não produzem para suprir a demanda alimentar da população. Nos últimos trinta anos, a área do perímetro irrigado perdeu o viés da produção alimentar, o que tem comprometido a soberania e a segurança alimentar.

Por outro lado, a agricultura familiar é quem gera mais alimento e renda no país, contrariando a ideia de que é o setor da agroindústria responsável por isso. Segundo dados do Incra, a agricultura familiar ocupa 24% das terras brasileiras e produz 70% dos alimentos que chegam à mesa do brasileiro, enquanto o agronegócio ocupa 76 % das terras e produz apenas 30% da comida. Outro dado alarmante e que põe por terra a ideia que o agronegócio gera emprego e renda para a população, é que este setor é responsável por apenas 26% de mão de obra, enquanto que a agricultura familiar ocupa 74%.

Além destes dados, tem se a constatação de que o agronegócio desmata para a produção de monocultura em larga escala, poluí os alimentos, a terra, a água e o corpo humano, além de provocar a violência no campo com a disputa de terras, e ser também responsável pelo trabalho análogo ao escravo.

A ausência de todos estes elementos resultam na insegurança alimentar e nutricional, que causa a desnutrição e obesidade. Um dos lados da insegurança alimentar é da falta de alimentos e a outra da alimentação composta por produtos industrializados, gerando a obesidade. Em Juazeiro, segundo dados do SISAN, 22% das crianças estão desnutridas e 7% estão com sobrepeso. Moacir esclarece que o índice de insegurança alimentar no território está acima da média nacional, por isso, a urgência em se instituir a política municipal de Segurança Alimentar, “os municípios não são autossuficientes na agropecuária. Essa potencialidade requer uma política, em todas as esferas, no sentido de fortalecer a agricultura familiar na produção de alimentos de verdade”, argumenta.

Segundo censo Demográfico do IBGE, de 2010, Sento-Sé, um dos dez municípios do território, tem 33,8% de sua população total em extrema pobreza, e segundo o Mapa de Insegurança alimentar e Nutricional (MapaInsan), elaborado pelo MSDA, em 2014, “estima-se que 710 famílias estejam em situação de insegurança alimentar e nutricional no Município, sendo 412 na área urbana e 298 na área rural, o que representa 2.126 pessoas”, sistematizou o documento.

Com estes índices, o município não dispõe ainda da Lei e nem aderiu ao Sistema Nacional de SAN, sendo todo esse debate uma novidade para o município, segundo a secretária de Assistência Social, Teresa Rodrigues. Teresa explica que a partir desta provocação do Consea – BA, sensibilizará a gestora local sobre a necessidade de construção da política municipal de Segurança Alimentar e adesão ao Sistema Nacional. “É de suma importância construir esta política no município. Sabemos que quando a população é mais orientada sobre alimentação, o povo tem mais saúde. Sabemos que o nosso município é rico em termos de agricultura familiar”, argumenta a secretária.

Mas no Território, tem outros municípios que estão na construção da Política, como o município de Uauá, que está na construção do Plano de Segurança alimentar, onde já instituiu o Conselho Municipal de SAN e aderiu ao SISAN. O município, segundo censo de 2010, do IBGE, tem 28,52% da população total em situação de extrema pobreza, correspondendo a cerca de 7 mil pessoas.

A Secretária de Assistência Social, Pedrina Mendes, explica que o município está caminhando junto a população para sensibilizá-la sobre a importância deste tema, assim como vem dialogando com os diversos entes públicos. “Precisa de muitos esclarecimento, precisa trabalhar na educação, esclarecer as famílias sobre a importância da segurança alimentar. Isso terá um resultado positivo, uma boa alimentação melhora todas os índices do município”, argumenta Teresa.

Para a secretária é preciso ter uma junção das secretarias para pensar ações articuladas para assegurar a segurança alimentar no município “sendo trabalhado uma conscientização com as famílias, nas escolas, na saúde e com todas as políticas terá um resultado positivo, porque uma boa alimentação melhora todas os índices do município, em todas as áreas das políticas públicas”, conclui.

Juazeiro, Uauá e Curaçá já fizeram a solicitação de adesão ao Sistema e outras etapas para conseguir criar a implementar a política municipal de Segurança Alimentar. Outros municípios do Território ainda estão iniciando o debate sobre esta política, quanto alguns ainda não tinham se atentado sobre estas questões.

O Consea estadual se dispôs a contribuir com os municípios em fazer outros encontros para debater o tema a nível local, além de mobilizar a sociedade organizada sobre a importância de compreender este conceito e sensibilizar o poder público sobre a sua obrigação de garantir o direito da população à alimentação.

Comunicação/IRPAA

Partilhar:

Juazeiro-BA: Confira a cotação dos produtos comercializados no Mercado do Produtor nesta quinta-feira (11)

Foto: Divulgação/AMA

O preço da cebola roxa nesta quarta-feira, (11) está R$2,00 o quilo; o abacaxi está custando R$ 1,90 o quilo; já a batatinha está sendo vendida por R$74,00 o saco com 50 quilos e o melão R$1,20 o quilo.

A cotação completa dos produtos comercializados no Mercado do Produtor de Juazeiro – maior Central de Abastecimento do Norte/Nordeste, está disponível aqui. Com informações da Agência Municipal de Abastecimento – AMA.

Da Redação/IrecêPress

Partilhar:

Irecê-BA: Fornecimento de energia elétrica será interrompido novamente nesta quinta-feira (12); Saiba as ruas atingidas

Foto: Divulgação

A Coelba informou nesta quarta-feira (11), através de comunicado, que o fornecimento de energia elétrica será temporariamente interrompido em Irecê, nesta quinta-feira (12), feriado da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida e dia das crianças.

Uma suspensão já havia sido anunciada no último domingo (8) quando várias ruas ficaram sem energia elétrica. A troca de postes e manutenção da rede é um dos motivos das ruas ficarem sem energia.

Saiba mais:

De acordo com a nota, enviada aos moradores atingidos pela interrupção, esta é uma atividade para realizar melhorias na rede de distribuição.

“Esta é uma atividade rotineira em todas as concessionárias de energia e que visa assegurar a qualidade e confiabilidade do atendimento aos seus clientes”, diz a nota, assinada pelo Gestor da Agência de Irecê.

Confira as localidades atingidas pela falta de energia elétrica nesta quinta-feira (12) em Irecê:

Rua Índio Mamede; Rua Marechal Deodoro da Fonseca; Rua Henrique Justa Dourado; Rua Teotônio Otacílio Marques Dourado; Rua Leonardo Da Vinci; Rua José Tibúrcio; Rua Joselito Marques Dourado; Rua Rosalvo da Silva Pereira; Rua A; Rua F; Avenida Raimundo Bonfim, Rua Benigna C. Dourado; Rua Luís Carlos Prestes; Rua Florisvaldo de Oliveira Costa; Rua Constância da S. Dourado; Rua Joaquina da S. Dourado; Rua Luis Carlos Prestes.

Da Redação/IrecêPress

Partilhar:

Irecê-BA: Emenda parlamentar de R$ 1 milhão viabilizará construção de trecho que liga Mercadão a Estrada do Feijão

Foto: Divulgação/Ascom

O município de Irecê foi contemplado com uma emenda parlamentar do deputado federal Luiz Caetano (PT), no valor de R$1 milhão, para a pavimentação do trecho que liga o Mercadão da cidade a Estrada do Feijão. O valor já foi empenhado, e em breve estará disponível.

“A pavimentação desse trecho é uma demanda histórica, e vai contribuir ainda mais para o progresso do nosso município”, destacou Elmo Vaz (PSB).

Segundo o deputado Luiz Caetano, o recurso já foi empenhado e em breve estará disponível. “Estou muito feliz em dar essa contribuição para Irecê e região”, disse o deputado. As informações são da Ascom/Prefeitura de Irecê.

Da Redação/IrecêPress

Partilhar:

PCdoB de Irecê realiza Conferência Municipal e elege Carlos Alberto novo presidente

Foto: Divulgação/PCdoB Irecê

Realizada no último sábado, (7), a Conferência Municipal do PCdoB contou com ampla participação de seus filiados na cidade de Irecê-BA.

Os militantes realizaram os debates que compõem a fase preparatória para a Conferência Estadual que acontece nos dias 21 e 22 de outubro em Salvador e para o 14º Congresso Nacional do PCdoB que vai acontecer entre os dias 11 a 13 de novembro em Brasília-DF.

Entre as principais pautas, os filiados trataram sobre o Projeto de Resolução e Propostas de alteração no Estatuto partidário apresentados pelo Comitê Central. Também foi realizado um balanço sobre as atividades da direção, seguido da eleição dos novos membros do Comitê Municipal para o biênio 2017/2019.

Além dos debates convocados pelo Edital, temas como os conflitos no mundo, luta dos povos, balanço dos governos Lula e Dilma, avaliação do desempenho do PCdoB, o governo ilegítimo contra o Brasil e o povo, fortalecimento do partido afim de elevar o seu papel na resistência, foram expostos durante toda a manhã de encontro.

Ao final do evento, a nova direção do PCdoB no município foi eleita, com a proposta de Carlos Alberto Bezerra como novo presidente para o biênio.

“A eleição do nosso Comitê Municipal se dá em um momento de muita importância para o PCdoB. É o ano em que o partido está completando 95 anos e realizando o seu 14º Congresso”, disse Carlos Alberto.

“Nesse momento de grandes dificuldades nas questões nacionais, onde enfrentamos graves ataques aos direitos da sociedade, o PCdoB mais uma vez terá o papel de vanguarda nas lutas do povo”, pontuou.

Ele ainda ressaltou que “o novo Comitê Municipal recebe tarefas de extrema importância, onde nos dedicaremos intensamente para garantir que efetivamente as transformações sociais que o nosso município, estado e país precisam, sejam realizadas a partir das nossas lutas, disposição e principalmente do comprometimento de todos os integrantes desse Comitê. Vida longa ao Partido Comunista do Brasil!”, finalizou o presidente eleito Carlos Alberto Rodrigues Bezerra. Com informações do PCdoB Irecê.

Da Redação/IrecêPress

Partilhar:

Prefeitura de Mulungu do Morro-BA tem contas de 2016 aprovadas

As contas da Prefeitura de Mulungu do Morro, da responsabilidade de Fredson Andrade de Souza, relativas ao exercício de 2016, foram aprovadas com ressalvas pelo Tribunal de Contas dos Municípios. O julgamento ocorreu na sessão desta terça-feira (10/10) e o voto foi aprovado por unanimidade. O conselheiro Plínio Carneiro Filho, relator do parecer, multou o gestor em R$1 mil pelas falhas e irregularidades identificadas no relatório técnico.

O acompanhamento da execução orçamentária registrou que não foram encaminhadas, através do sistema SIGA, as certidões de prova de regularidade fiscal e trabalhista para contrato; pagamento irregular de despesa com sendo referentes à área de saúde; e divergência entre o valor de transferências constitucionais e legais contabilizadas pela prefeitura e o informado pelo Banco do Brasil, STN e Sefaz-BA. Cabe recurso da decisão.

Ascom/TCM BA

Partilhar:

TCM rejeita contas de Paulo Miranda de Souza de 2016 em Barro Alto-BA

Praça da Matriz em Barro Alto-BA/Foto: Sandovaldo Reis

O Tribunal de Contas dos Municípios, nesta terça-feira (10/10), rejeitou as contas da Prefeitura de Barro Alto, na gestão de Paulo Miranda de Sousa, referentes ao exercício de 2016. Além de não deixar em caixa saldo suficiente para quitar os restos a pagar e despesas do exercício anterior, promovendo um desequilíbrio fiscal nas contas. O gestor também não cumpriu o índice constitucional mínimo de investimento na educação.

O relator do processo, Raimundo Moreira, acompanhado pelos demais conselheiros, determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual contra o gestor e imputou uma multa no valor de R$50.400,00, em razão do descumprimento do art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal. Também foi aplicada uma segunda multa, no valor de R$4 mil, pelas irregularidades identificadas no relatório técnico.

As contas da Prefeitura de Barro Alto apresentaram uma disponibilidade financeira no montante de R$477.418,95, que se revelou insuficiente para honrar os pagamentos de curto prazo na importância de R$4.493.339,80, descumprindo, assim, o previsto no art. 42 da LRF. Tal irregularidade por si só já compromete o mérito das contas. Além disso, a equipe técnica constatou que foram realizados registros contábeis fictícios, sobretudo com relação as disponibilidades financeiras, a fim de tentar manipular dados para indução de interpretação equivocada relacionada a apuração da situação fiscal do município ao final do exercício.

Na educação, a prefeitura aplicou recursos no montante de R$9.241.731,99, que correspondeu a apenas 24,42% da receita resultante de impostos, compreendida a proveniente de transferências, não alcançando o percentual mínimo de 25% exigido constitucionalmente, fato que também impõe a rejeição das contas. Cabe recurso da decisão.

Ascom/TCM BA

Partilhar: